sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Julia Roberts, Javier Bardem e produção nacional estreiam nos cinemas


Carlos Baumgarten

A adaptação do best-seller Comer, Rezar, Amar aos cinemas, que chega com os mesmo títulos, entra, a partir de hoje, em circuito nacional. O filme foi recebido com críticas da imprensa italiana, por conta da imagem estereotipada dos costumes daquele País. Comer, Rezar, Amar é uma jornada de auto-conhecimento e se passa em três países: Itália, Índia e Indonésia.

Estrelado por Julia Robers e Javier Bardem, a produção é dirigida por Ryan Murphy, um dos criadores da popular série televisiva Glee. Roberts promoveu o seu filme no Festival de San Sebastían, na Espanha, junto com o seu colega espanhol, Bardem, no mês passado.

Mas, deixando de lado os clichês e o galmour construído por Hollywood, a produção nacional Cinco Vezes Favela, Agora Por Nós Mesmos é a mais atrativa da semana. Trata-se de um projeto que reúne cinco filmes de ficção, de cerca de 20 minutos cada, sobre diferentes aspectos da vida em comunidade. Os filmes foram realizados por jovens cineastas moradores de favelas do Rio de Janeiro capacitados a partir de oficinas profissionalizantes de audiovisual.

Essas oficinas foram ministradas por mestres do nosso cinema, como Nelson Pereira dos Santos, Fernando Meirelles, Ruy Guerra, Walter Salles, entre outros. A visão da vida em comunidade apresentada pelos próprios jovens é uma oportunidade da quebra do estigma que rondam essas localidades, vinculadas sempre à insegurança e violência. Estereótipos tão repretidos no exterior que não há como entender o incomodo da imprensa italiana com o filme de Ryan Murphy, já que a ideia é exaltar o local e não rebaixá-lo.

O filme remonta um projeto de 1961, quando cinco jovens cineastas de classe média, oriundos do movimento estudantil universitário, realizavam o filme Cinco Vezes Favela. Carlos Diegues, Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman, Marcos Farias e Miguel Borges foram responsáveis pelo projeto, considerado um marco do cinema moderno brasileiro. Mas, agora  há uma importante inversão de valores nesse contexto, mostrando a importância do cinema enquanto instrumento de inclusão social.

Além destes, Cabeça a Prêmio, Destinos Ligados, Os Vampiros Que Se Mordam e Refelxões de um Liquidificador completam as estreias da semana. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário